Brian poderia realmente ter pichado os muros da Judeia?

No filme A Vida de Brian, os membros da resistência desafiam o personagem-título a pichar os muros do palácio de Pôncio Pilatos, e ele o fez com a frase “Romanos, vão embora!”

Mas, será que é possível que ele tenha feito aquilo durante a época da ocupação romana?

A pedra com o xingamento ao soldado romano
“Secundinus filho da p…”

Veja Mais Em: Pichações inspiradas em Monty Python intrigam moradores de Cambridge

E, vejam só, a resposta é sim! Pois pesquisadores encontraram um grafite esculpido numa pedra de pelo menos 1,7 mil anos com um xingamento a um soldado romano.

GRAFITE

De acordo com o site UOL, a pedra onde tem o xingamento foi encontrada em Northumberland, na Inglaterra. Além disso, ela mede 40 cm de altura e 15,2 cm de largura.

A mensagem inscrita nela não é lá muito amistosa, e é direcionada a um soldado chamado Secundinus.

Na pedra, estavam escritas as palavras SECVNDINVS CACOR. Sendo assim, os especialistas em epigrafia romana Alexander Meyer, Alex Mullen e Roger Tomlin reconheceram essa frase como “Secundinus cacator”.

De acordo com eles, isso pode ser traduzido como “Secundinus, filho da puta”.

E, o mais curioso, é que não é a primeira vez que escavadores encontraram rabiscos peculiares no local, segundo o jornal britânico Daily Mail.

SECUNDINUS

De acordo com Andrew Birley, diretor de escavações da Vindolanda Trust, o autor da mensagem “claramente tinha um grande problema com Secundinus e estava confiante o suficiente para anunciar seus pensamentos publicamente em uma pedra”.

Não tenho dúvidas de que Secundinus não teria se divertido ao ver isso quando estava vagando pelo local.

Fo Dylan Herbert, voluntário do Vindolanda Trust, foi quem descobriu a pedra. “Eu estava removendo os escombros durante a semana e essa pedra estava atrapalhando meu caminho. Quando a virei, fiquei surpreso ao ver algumas letras”.

Nota da redação: É como diz aquele velho ensinamento: “Quem tem boca vaia Roma!”

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 40 anos na cara. Às vezes grava o podcast "Pythoneando" e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor dos livros "A História (quase) Definitiva de Monty Python" e "O Guia da Carreira-Solo dos Membros do Monty Python"

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.