Terry Gilliam está sendo acusado de danificar convento português

Fazia um bom tempo que não aparecia uma polêmica envolvendo algum membro do Monty Python por aqui.

Então aqui vai uma boa:

Uma polêmica envolvendo Monty Python

Veja Mais Em: Terry Gilliam revela quem financiou o filme ‘Dom Quixote’

Na sexta-feira, 2, o programa Sexta às 9, do canal português RTP1, foi investigar alguns estragos deixados no Convento de Cristo, na cidade de Tomar, em Portugal.

Acontece que esses estragos foram supostamente feitos durante as filmagens do novo filme de Terry Gilliam, O Homem Que Matou Dom Quixote.

FILME

A produção do filme esteve presente no Convento de Cristo durante três semanas.

De acordo com funcionários do local, pessoas ligadas à produção cortaram árvores, quebraram algumas telhas e lascaram algumas pedras.

Além de terem feito uma fogueira de 20 metros de altura.

ACUSAÇÃO

A produção do filme pagou 172,500 mil euros para poder usar o convento como cenário.

Segundo o jornal português, logo após o fim das gravações, a diretora do convento, Andreia Galvão, deveria ter feito uma vistoria no local. De acordo com funcionários, nada disso foi feito.

A Ukbar Filmes, responsável pela produção do filme, garantiu que “o fogo e corte de árvores estavam previstos”.

Ou seja, foi uma bela polêmica envolvendo Monty Python, não foi?

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 40 anos na cara. Às vezes grava o podcast "Pythoneando" e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor dos livros "A História (quase) Definitiva de Monty Python" e "O Guia da Carreira-Solo dos Membros do Monty Python"

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.