Humanos combatem zumbis no estilo Monty Python

A Northwest State University, na cidade de Maryville, nos Estados Unidos, vai realizar um jogo de zumbis completamente nonsense inspirado em Monty Python.

O jogo se chama Humans vs. Zombies, ou Humanos vs. Zumbis, e consiste numa batalha exatamente entre humanos e zumbis.

Veja mais em: Quer relembrar a série ‘Walking Dead’? John Cleese te ajuda

ZUMBIS

Durante todo o final de semana, os alunos da universidade vão se dividir em dois grupos: Humanos e Zumbis (claro!)

No jogo, os zumbis devem “comer” os humanos (marcá-los de alguma forma) para permanecerem vivos. Se um ser humano é marcado por um zumbi, ele se torna um zumbi, mas os zumbis não podem ser transformados em humanos.

Segundo Abby Bobbett, estudante de Psicologia e Sociologia, as armas incluem meias, brinquedos de pelúcia, bichos de pelúcia e dardos de espuma. “Além de armas de espuma e macarrão de piscina”.

PYTHON

Todos os anos, os organizadores baseiam as missões em algum filme, livro ou jogo.

Desta vez, o tema é Monty Python. De acordo com o chefe de missões Philip Kendall, as missões são todas baseadas no filme Monty Python Em Busca do Cálice Sagrado.

“Começa com a Peste Negra, e eles têm de me escoltar, o Rei Arthur, para encontrar Sir Bedevere”, explicou Kendall.

SEGURANÇA

Mas nem tudo é só alegria.

Enquanto o campus universitário está aberto para o jogo, e os alunos correm alucinadamente para fugir dos zumbis, Rachel Francisco, a segurança oficial do evento, disse que existem certos lugares fora dos limites do jogo. “Os estacionamentos, por exemplo, estão definitivamente fora do limite”, afirmou Rachel. “Você não pode jogar dentro de um carros ou bater nas pessoas com um carro”.

“Meu trabalho é certificar-se de que o regulamento de segurança será aplicado durante as missões, e que qualquer arma de espuma não cause danos às pessoas”, finalizou a segurança oficial.

Os zumbis bem que poderiam ser como estes aqui, não?

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 40 anos na cara. Às vezes grava o podcast "Pythoneando" e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor dos livros "A História (quase) Definitiva de Monty Python" e "O Guia da Carreira-Solo dos Membros do Monty Python"

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *