Flying Circus: Monty Python quase sai do ar

Logo depois do terceiro episódio da série Monty Python Flying Circus ir ao ar, os pythons receberam um ultimato: ou o programa mudava de formato, ou ele saía do ar.

O motivo é que nenhum dos executivos da BBC estava entendendo o que era o Monty Python, e não estavam gostando nada do que estavam vendo.

Tom Sloan, um dos cabeças do entretenimento da BBC chegou a lamentar para o diretor Ian MacNaughton, dizendo que ele tinha que fazer algo “para melhorar este programa terrível. Não é engraçado”.

PRODUTOR

Só que o produtor John Howard Davies era capaz de ver o lado engraçado, e se negou a mexer no programa.

Então, recapitulando: Os executivos da BBC ameaçaram cancelar a série porque ela já estava ficando muito boba. Roteiros deveriam ser mudados, situações deveriam ser revistas e as piadas deveriam ser repensadas.

E o que Graham Chapman, John Cleese, Terry Jones, Eric Idle, Michael Palin e Terry Gilliam fizeram? Não deram a mínima. Ou melhor, afiaram seus cérebros e tiraram piadas cada vez mais absurdas, ácidas, estranhas e bobas, conforme podemos ver em Auto-Defesa Contra Ataques de Frutas Frescas (Self Defence Against Fresh Fruit) do episódio quatro, Owl Stretching Time, que foi ao ar no dia 26 de outubro de 1969.

FRUTAS

O esquete trata de uma premissa simples: um instrutor de autodefesa dando aula a seus alunos. A parte pythonesca da piada? Tudo o que o professor ensina é como defender-se contra um assaltante armado com alguma fruta fresca.
O professor (Cleese) começa a aula relembrando o que os alunos fizeram na aula anterior.

Terry Jones: “Nós temos feito com frutas frescas pelas últimas nove semanas”
John Cleese: “O que há de errado com frutas? Você acha que sabe tudo, hein?”
Michael Palin: “Não podemos fazer outra coisa pra variar?”
Eric Idle: “Como se alguém atacar você com uma vareta pontiaguda?”
John Cleese: “Vareta pontiaguda? Queremos aprender como nos defender contra varetas pontiagudas, não? Ficando todo superior e poderoso, hein? Frutas frescas não são suficientes para vocês, hein? Bem, irei lhe dizer algo, meu jovem. Quando você estiver voltando para casa essa noite e algum maníaco homicida aparecer para você com um pouco de frutas silvestres, não venha chorando para mim!”

O professor, então, ensina os alunos a se defenderem contra um homem armado com uma banana.

John Cleese: “É bastante simples defender-se do louco da banana! Primeiro de tudo, você o obriga a soltar a banana! Depois, você come a banana, o desarmando dessa forma. Agora, você o deixou impotente”
Michael Palin: “E se ele tiver uma penca?”
John Cleese: “Cale-se!”
Eric Idle: “E se ele tiver uma vareta pontiaguda?”
John Cleese: “Cale-se!”

O professor faz uma demonstração prática, pedindo para um aluno (Chapman) atacá-lo com uma banana. O aluno assim o faz, e leva um tiro.

Em seguida, ele pede para outro aluno (Jones) atacá-lo, só que, dessa vez, com uma framboesa, mas o aluno se recusa, dizendo que o professor vai matá-lo. O professor nega, e quando o aluno está prestes a atacá-lo, um peso de 16 toneladas cai sobre ele.

O esquete segue para situações cada vez mais absurdas, podendo ser um grande motivo para a BBC cancelar a série em definitivo. Só que a temporada já estava praticamente toda produzida, e tanto os atores quanto a produção já tinham recebido o salário. Então, a única saída seria manter esses malucos na programação. De novo.

CURIOSIDADES

O esquete foi escrito pela dupla Cleese-Chapman.

Apesar de toda a série ter sido transmitida em cores, este episódio foi o primeiro a ser anunciado como sendo colorido.

Este esquete foi levemente citado no livro O Escorregador de Gelo, de Lemony Snicket, em que três personagens estão procurando por algo em um refrigerador, e Snicket diz que um frigorífico iria segurar um monte de morangos, o que seria importante se um homem ameaçasse com “Se você não me der um monte de morangos agora, eu vou atacar você com esta grande vareta pontiaguda”.

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 40 anos na cara. Às vezes grava o podcast "Pythoneando" e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor dos livros "A História (quase) Definitiva de Monty Python" e "O Guia da Carreira-Solo dos Membros do Monty Python"

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.