Monty Python é o filme mais controverso de todos os tempos

Um dos filmes do Monty Python é o filme mais controverso. Isso quer dizer que o grupo britânico fez sua lição de casa direitinho.

Desta vez, o filme A Vida de Brian foi considerado o filme mais controverso de todos os tempos, segundo o jornal inglês The Mirror.

A Vida de Brian é o filme mais controverso

Veja Mais Em: Estudo comprova a existência de granadas de mão na Idade Média

Tá certo que o jornal referiu-se ao filme como “a paródia sobre Jesus”, mas tudo bem. Jornalista nunca entendeu nada de Monty Python mesmo!

Só pra deixar bem claro, o filme não fala sobre Jesus, e nem é uma paródia sobre o mesmo.

CONTROVÉRSIA

A eleição foi feita por cinéfilos da internet, e o filme pythonesco ficou na frente de grandes clássicos na lista de filme mais controverso.

Veja como ficou:

  1. A Vida de Brian
  2. Laranja Mecânica
  3. A Última Casa à Esquerda
  4. The War Game
  5. Pink Flamingos

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 40 anos na cara. Às vezes grava o podcast "Pythoneando" e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor dos livros "A História (quase) Definitiva de Monty Python" e "O Guia da Carreira-Solo dos Membros do Monty Python"

2 thoughts on “Monty Python é o filme mais controverso de todos os tempos

  • 13 de julho de 2016 em 09:05
    Permalink

    Bom dia! Sempre gostei desse e sempre achei que fosse sobre Jesus…. WTF???
    De quem se a paródia?

    Resposta
    • 13 de julho de 2016 em 22:22
      Permalink

      Maria, o filme não fala sobre Jesus. Ele apenas se passa na época de Jesus, apenas isso. Na verdade, “A Vida de Brian” é muito mais político do que religioso, já que faz uma paródia de grupos políticos (tanto de esquerda quanto de direita) que mais brigam entre si do que outra coisa, além de políticos que só discursam em vez de agir. Eles também satirizam os políticos poderosos (no caso do Pôncio Pilatos).
      A parte “religiosa” do filme aparece quando o Monty Python satiriza a alienação das pessoas ao buscar um messias. A paródia está exatamente nesse ponto, o abuso da religiosidade e o que as pessoas fazem com ela.

      Um grande abraço e continue pythonesca!

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.