Flying Circus: a universidade dos Bruces

Vocês sabem que o Monty Python tem um tipo de amor estranho pela Austrália, tanto na zoeira como na admiração, não é mesmo?

Um dos motivos é a homenagem feita àqueles serumaninhos australianos no esquete Bruces Sketch (Esquete dos Bruces), da série Monty Python’s Flying Circus.

Monty Python e a universidade da Austrália

Veja mais em: Emissora da Austrália satiriza primeira-ministra com Monty Python

Esse esquete apareceu no episódio How to Recognize Different Parts of the Body (Como Reconhecer Diferentes Partes do Corpo), que foi ao ar no dia 24 de novembro de 1970.

ESQUETE

A história desse esquete trata de um grupo estereotipado de vagabundos da Austrália que trabalham no Departamento de Filosofia da fictícia Universidade de Woolamaloo (um erro de ortografia que envolve o subúrbio de Woolloomooloo, em Sydney).

A pythonice começa com o fato de que todos se chamam Bruce. Além disso, todos eles tem um gosto em comum por cerveja.

Terry Jones interpreta Michael Baldwin, um professor recém-chegado na universidade. Ele se junta ao departamento e conhece seus colegas pela primeira vez.

Ao saberem que seu nome é diferente do dos outros, Baldwin é apelidado de “Bruce” pra evitar confusão.

Segundo o livro “Monty Python’s Flying Circus – Complete and Annotated“, Bruce é uma gíria para o arquétipo do homem australiano, e seu oposto é “Sheila”.

É quando o personagem de John Cleese recita as regras da faculdade da Universidade de Woolamaloo:

  1. Regra um: Nada de bichas; (“Poofta!”, que na gíria australiana é um termo chulo para homossexual)
  2. Regra dois: Nenhum membro do corpo docente deve maltratar os aborígines, se tiver alguém olhando;
  3. Regra três: Nada de bichas;
  4. Regra quatro: Eu não quero pegar ninguém não bebendo em seu quarto depois das luzes apagadas;
  5. Regra cinco: Nada de bichas;
  6. Regra seis: Não há regra seis;
  7. Regra sete: Nada de bichas.

MÚSICA

O esquete também é destaque no álbum The Monty Python Matching Tie and Handkerchief e em muitos dos eventos ao vivo, onde tem a performance The Philosophers’ Song (Canção dos Filósofos).

No especial Monty Python Ao Vivo no Hollywood Bowl, os pythons jogaram latas de cerveja Fosters para o público com uma piada sobre o fato da cerveja dos Estados Unidos ser muito aguada.

A música não existe na versão original do Flying Circus, que em vez de terminar com os Bruces cantando, termina com ele dizendo “Sidney Nolan! Que é isso?” apontando para a orelha de um dos Bruces, voltando a piada do episódio, com uma voz dizendo: “Número nove: o ouvido”.

Por fim, ouça a bela canção agora:

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 40 anos na cara. Às vezes grava o podcast "Pythoneando" e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor dos livros "A História (quase) Definitiva de Monty Python" e "O Guia da Carreira-Solo dos Membros do Monty Python"

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.