Terry Gilliam é processado por direitos autorais

Ontem, um grupo de artistas de rua processou o membro do Monty Python Terry Gilliam por direitos autorais.

Eles alegaram que Gilliam se inspirou em um mural psicodélico de Buenos Aires para o seu mais recente filme: O Teorema Zero (The Zero Theorem).

terry-gilliam-shot

Veja Mais Em: Pôster do filme ‘Teorema Zero’ sofreu censura

Segundo a Agência Reuters, os grafiteiros acusam Gilliam de “apropriação indébita flagrante” de sua pintura.

Na denúncia, os artistas fazem uma comparação da versão cinematográfica com os grafites: um homem de turbante, um rato com aparência humana e um rosto desenrolando um emaranhado de fitas coloridas.

Segundo os grafiteiros, Gilliam demonstrou um “desrespeito repetido” pela lei de direitos autorais.

REMANESCENTE

Repetido? Como assim?

Sim, é que Gilliam e sua equipe de produção foram processados ​​em outra ocasião, quando o artista lebbeus woods inventou que uma cadeira de tortura que apareceu no filme Os 12 Macacos (The 12 Monkeys) foi “obviamente baseada” em um desenho seu.

O grafite polêmico
O grafite polêmico

Os artistas argentinos, Franco Fasoli e Nicolas Romero, criaram os grafites em 2010 e registraram os direitos em 2013.

Apesar de tudo, Terry Gilliam não pode ser contatado para comentar o assunto.

Ah, esses argentinos. São velhos conhecidos nossos…

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 40 anos na cara. Às vezes grava o podcast "Pythoneando" e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor dos livros "A História (quase) Definitiva de Monty Python" e "O Guia da Carreira-Solo dos Membros do Monty Python"

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.