Terry Gilliam: “A imaginação é uma droga mais barata que o ácido”

Em uma entrevista para o site cubano Portal Cuba Sí, Terry Gilliam contou que seus filmes são caracterizados por uma mistura de humor, criatividade e um toque de loucura (mas sem droga).

Além disso, ele afirmou que usa apenas a imaginação para alcançar esse tom peculiar em suas obras, pois ela é a droga mais barata que existe.

Terry Gilliam, do Monty Python nunca usou droga

Veja Mais Em: Terry Gilliam foi impedido de entrar na Disney

Gilliam deu entrevista ao site cubano quando esteve visitando o México e participou do Festival Internacional de Cinema de Guanajuato, onde o homenagearam com a Cruz de Prata.

O prêmio foi uma homenagem a sua carreira como diretor e animador bem sucedido.

FANTASIA

Terry Gilliam contou ainda que procura caracterizar as suas obras pelo choque entre a realidade e a fantasia. Além disso, ele afirmou que sempre procura filmar a sua própria realidade (mesmo que ela seja completamente pythonesca).

A imaginação é uma droga mais barata que o ácido, e eu adoro que seja assim.

MÉXICO

Por fim, ele terminou a palestra fazendo um convite cheio de seu senso de humor pythonesco:

Eu adoraria fazer meu próximo projeto no México. Se algum de vocês tiver uma boa ideia e dinheiro, ligue para mim.

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 40 anos na cara. Às vezes grava o podcast "Pythoneando" e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor dos livros "A História (quase) Definitiva de Monty Python" e "O Guia da Carreira-Solo dos Membros do Monty Python"

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.