• Thiago Meister Carneiro

“Não Lutar por Camilla é um Arrependimento”

American Idol Final Four Contestants attend The Beatles 'Love'Caída no chão frio, o cabelo emaranhado com sangue e vômito, uma jovem lamentavelmente magra tremia incontrolavelmente por causa dos efeitos de álcool e cocaína.

Para alguém de passagem, a figura devastada não teria merecido uma segunda olhada. No entanto, esta não era apenas mais uma viciada desamparada – ela era filha de um dos mais amados comediantes do mundo.

Durante anos, John Cleese escondeu um segredo revelado a pouco tempo: sua filha Camilla era viciada desde os 11 anos.

O comportamento auto-destrutivo de Camilla a levou para a beira do suicídio e causou o distanciamento entre ela e seu pai.

Em uma entrevista para o jornal Mail Online, ela contou detalhes sórdidos de sua vida em uma tentativa de alertar outros jovens a ficarem longe dos males das drogas. “Quero que todos saibam que viciados em drogas e alcoólatras vêm em todas as formas, tamanhos e fronteiras sociais”.

“A droga quase me matou e eu sei como tenho sorte de estar aqui hoje. Se a minha história ajuda a apenas uma pessoa, então o inferno Eu e minha família fez passar não terá sido em vão”.

VÍCIO
Camilla é bonita. Ela compartilha uma inteligência feroz e um sentido de humor irreverente com seu pai. “Comecei a usar drogas porque eu era insegura e queria ser legal”, reconhece. “Mas não há nada de legal nas drogas, e eu quero que todos saibam disso”.

Durante um desafio, ela bebeu seu primeiro copo de vinho aos 11 anos. “As minhas amigas diziam que era a coisa mais legal do mundo”, e gostei do sentimento de “alívio” que me deu”.

“Comecei a beber, fumar e sair com garotos mais velhos. Eu morava em uma casa muito grande, e minha mãe não imaginava que meus amigos e eu estávamos bebendo. Um dia, um menino me entregou um pacote para dar a uma garota que eu conhecia. Dentro havia um saco de pó branco. Quando eu entreguei, ela me ofereceu uma linha. Aceitei.

“A partir de então, a vida era uma grande festa. Havia cocaína, maconha, ecstasy e muita bebida”.

PÂNICO
O declínio de Camilla foi difícil para o pai dela. “Foi contra todos os meus instintos”, disse, referindo-se à mudança dela para os Estados Unidos. “Fui informado de que forçar uma criança dessa idade a escolher entre o pai e a mãe pode causar um monte de problemas. Não lutar por Camilla é um dos maiores arrependimentos da minha vida”.

“Toda vez que eu bebia, eu cheirava cocaína. Eu me sentia invencível e engraçada. As pessoas provavelmente pensavam que eu era filha de John Cleese, o perdedor. Meu rosto começou a inchar e comecei a ter ataques de pânico. Acordava e não conseguia respirar. Meu corpo tremia com a abstinência. As dores não paravam”.

“Meu pai não é estúpido, mas ele confiou em mim e eu sou uma boa mentirosa. Eu era feliz quando estava bêbada. Eu bebia vodka pura durante todo o dia.”

AUGE DO DECLÍNIO
“Eu era a rainha de algo chamado surfe de carro, que era ficar em pé no capô de um carro com outro bêbado dirigindo. Uma vez eu tinha sido parada por dirigir embriagada com cafetões e prostitutas. Acabei na cadeia. Papai estava fora da cidade, então eu liguei para um amigo que me pegou. Fomos direto para um bar e continuamos a beber”.

“No fundo, eu acho que estava bebendo porque eu nunca superei ser a menina de 11 anos que perdeu o pai”.

Aos 20 anos, Camilla foi para uma clínica de reabilitação em Malibu. Mas logo conseguiu uma segunda condenação por dirigir embriagada, uma bagunça legal que foi abordado pelos advogados de seu pai. “Eles me mantiveram fora da prisão, prometendo ao juiz que eu pediria ajuda”.

Finalmente chegou ao fundo do poço depois de um casamento. “Meus amigos me pediram para trazer cocaína. Mas deixaram o quarto do hotel aberto, alguém viu meus amigos cheirando e chamou a polícia. Mesmo sendo presa, eu gritava com os policiais”.

“Estava na parte de trás do carro da polícia e decidi me bater para que eu pudesse ir ao hospital, em vez da prisão. Bati minha cabeça contra a porta com tanta força que minha pele se abriu. Acordei na manhã seguinte no chão frio da cela, coberta em meu próprio sangue e vômito e vestindo apenas uma cueca. Papai me tirou de lá”.

RELAÇÃO COM O PAI
Em 2006, Cleese foi aconselhado a cortar Camilla financeira e emocionalmente. Ele cancelou suas contas bancárias e se recusava a atender suas ligações.

“Ficamos afastados por um ano. Foi difícil para ele e muito difícil para mim. Um dos maiores chutes no meu estômago foi quando meu pai me escreveu uma carta e a entregou em mãos onde eu estava vivendo. Ele disse estar vendendo a fazenda e os meus cavalos. Eu chorei muito, pois a coisa mais dolorosa da minha vida foi meu pai não falar comigo”.

“Eu tinha perdido tudo, incluindo o homem que eu amava mais do que qualquer outra pessoa – o meu pai”.

O DESPERTAR
Em 2007, Camilla chamou seu pai e disse-lhe que estava pronta para ficar sóbria. Ele arranjou uma clínica de reabilitação, onde Ringo Starr e Michael Douglas tinham sido tratados.

Ela enfrentou seus demônios e teve um despertar espiritual. “Eu lidei com as minhas emoções. Aprendi que eu tinha muita raiva reprimida em relação a meu pai. Como muitas crianças envolvidas em divórcio, eu me senti como se tivesse sido abandonada”.

Cleese, com a voz embargada, lembra: “O terapeuta me disse que nunca tinha conhecido alguém tão interessado em mudar. Eu sabia que a minha filha queria viver”.

“O que passamos foi um pesadelo. Mas estamos com ela e posso te dizer que sou incrivelmente orgulhoso da notável jovem que minha filha se tornou”. Camilla acrescenta: “Sei que estou indo na direção certa agora. A vida é divertida novamente”.

camilla-cleese
“É um milagre que eu ainda esteja viva”

(com informações de Caroline Graham – Mail Online – 20-12-2008)